noticias

Manuscrito com ensinamentos de Jesus a Tiago é descoberto por arqueólogos

O manuscrito de 1.600 anos de idade descreve os ensinamentos de Jesus sobre o céu e eventos futuros e se refere a Tiago como irmão de Jesus, embora “não materialmente”.

Fragmentos de um manuscrito de 1.600 anos de idade, que descrevem ensinamentos de Jesus para seu irmão Tiago, foram descobertos por estudiosos bíblicos no Egito.

O texto em grego, que descreve os ensinamentos de Jesus sobre o céu e eventos futuros, se refere a Tiago como irmão de Jesus, embora “não materialmente”.

O manuscrito foi unido à biblioteca de Nag Hammadi, uma coleção de 52 textos do cristianismo primitivo, datados entre os séculos 2 e 6 d.C., descobertos em 1945 perto da cidade de Nag Hammadi, no Alto Egito.

“Esta nova descoberta é significativa em partes, porque demonstra que os cristãos ainda estavam lendo e estudando os escritos extra-canônicos muito tempo depois de serem considerados heréticos”, disse Geoffrey Smith, professor de estudos religiosos na Universidade do Texas e um dos pesquisadores que fez a descoberta.

Escrito na língua copta, o manuscrito antigo descreve ensinamentos de Jesus para Tiago, a quem ele frequentemente se refere como “meu irmão”. Jesus observa que Tiago não é um verdadeiro irmão, no entanto, afirmando que “não é meu irmão materialmente”.

“O texto complementa o relato bíblico da vida e do ministério de Jesus, nos permitindo acesso às conversas que, supostamente, ocorreram entre Jesus e seu irmão, Tiago — ensinamentos secretos que permitiram que Tiago fosse um bom professor após a morte de Jesus”, disse Smith.

Análise

O texto é considerado herético pela Igreja Ortodoxa Copta, pois teria caído estaria fora dos limites canônicos estabelecidos por Atanásio, arcebispo de Alexandria no século 3 d.C. Em sua “39ª Carta Pascal”, Atanásio definiu o Novo Testamento como composto por 27 livros: “Ninguém pode adicionar nada a eles, e nada pode ser tirado deles”, decretou.

Este manuscrito é uma cópia que provavelmente foi escrita por alguém que estava aprendendo a ler e escrever grego, utilizando como base o manuscrito original, segundo pesquisadores. Eles explicam que a caligrafia uniforme do texto, bem como suas palavras separadas em sílabas, sugerem que foi escrito por um acadêmico.

“O escriba dividiu a maior parte do texto em sílabas usando pontos médios”, afirmou o professor co-autor do estudo, Brent Landau. “Tais divisões são muito incomuns em manuscritos antigos, mas elas aparecem frequentemente em manuscritos que foram usados ​​em contextos educacionais. O professor que produziu esse manuscrito deveria ter uma afinidade particular com o texto”.

Os pesquisadores indicam que o manuscrito não parece ser um resumo do texto original, como era comum em exercícios escolares, mas sim uma cópia completa dessa escritura antiga.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE DAILY MAIL

Mais

Post Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close