domingo - 16 dezembro 2018

Movimento criacionista começa a se expandir pela América do Sul

Movimento criacionista começa a se expandir pela América do Sul

Depois de 46 anos em defesa do Criacionismo no Brasil, a SCB (Sociedade Criacionista Brasileira) dispara na abertura de pequenos núcleos de estudo em vários estados do país. No período de três anos, oito núcleos já foram ou estão sendo organizados. O primeiro foi inaugurado formalmente, em 2015, o Numar-SCB (Núcleo Maringaense) e os demais estão aguardando detalhes finais.

Além do núcleo de Maringá, existem dois outros núcleos em processo de formalização no Paraná, em Londrina e Curitiba, além de outros núcleos no sul do Brasil: em Santa Catarina (Blumenau) e outro no Rio Grande do Sul (Porto Alegre). Os demais núcleos estão em fase de organização: Pernambuco, Rio Grande do Norte, São Paulo, Amazonas, Rondônia e Maranhão.

Fora do Brasil já existe incentivo para a implantação de minicentros criacionistas em Galápagos, Bolívia, Peru e Cabo Verde. De acordo com o diretor executivo da SCB, Rui Corrêa Vieira, vários seminários internacionais estão sendo realizados nessas localidades.

Rui explica que desde o início das atividades, em 1972, a SCB tem mantido contato com o Geoscience Research Institute, instituto norte-americano de pesquisas bíblico-científicas, através do intercâmbio e do desenvolvimento de projetos e, posteriormente, um estreito contato com a Creation Research Society, umas das mais antigas organizações criacionistas do mundo, da qual recebeu autorização para traduzir e publicar artigos do periódico Creation Research Society Quarterly em sua “Folha Criacionista”, atual Revista Criacionista.

Planos para o futuro

O plano, segundo o recém-eleito presidente da entidade, o geólogo Dr. Marcos Natal, é o de ter uma dessas filiais em cada um dos estados brasileiros e em outros países sul-americanos. Os núcleos atuam de forma voluntária, profissionais de diversas áreas, como biólogos, geólogos, químicos, arqueólogos, físicos, paleontólogos, teólogos, professores, cientistas, jornalistas e até mesmo profissionais da saúde como médicos e enfermeiros.

“A ideia é que em cada um desses núcleos, sejam estabelecidos centros criacionistas. Trata-se de espaços reservados para divulgação, pesquisa e aprendizagem a respeito do criacionismo onde os interessados encontram livros, jogos, material audiovisual, amostra de fósseis, entre outros recursos”, afirma o presidente da SCB.

Outro objetivo dos núcleos consiste em firmar parcerias com universidades locais e apresentar a proposta criacionista. Marcos Natal se mostra entusiasmado com as perspectivas futuras de relação com os públicos científicos, a cargo de uma nova geração de pesquisadores criacionistas, por conta da presença de vários jovens cientistas e estudantes motivados a dar maior visibilidade ao criacionismo.

Como criar um núcleo

Interessados em montar um núcleo da Sociedade Criacionista Brasileira devem entrar em contato com a SCB pelo e-mail scb@scb.org.br. Em resposta, a entidade oferecerá orientações e estrutura para formação e manutenção do núcleo. Com informações da SCB e ASN

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *